sábado, 26 de fevereiro de 2011

FLIP - Festa Literária Internacional de Paraty

Poucos locais poderiam ser mais agradáveis para sediar a FLIP do que Paraty. Suas ruas de pedras propiciam encontros casuais proveitosos, enquanto restaurantes e bares sugerem um bate papo descontraído. As pousadas e os serviços oferecem um excelente padrão de qualidade.

Em agosto de 2003, a Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP) tornou-se a caçula da família de importantes festivais literários como: Hay-on-wye, Adelaide, Harbourfront de Toronto, Festival de Berlim, Edimburgo e Mantua. Com a presença de autores mundialmente respeitados como Julian Barnes, Don De Lillo, Eric Hobsbawn e Hanif Kureishi, a primeira FLIP estabeleceu um padrão de excelência às edições seguintes. Em um curto período, ficou conhecida como uma das principais festas literárias internacionais, reconhecida pela qualidade dos autores convidados, pelo irresistível entusiasmo de seu público e pela descontraída hospitalidade da cidade.

A FLIP já recebeu alguns dos grandes nomes da literatura mundial como: Salman Rushdie, Ian McEwan, Martin Amis, Margaret Atwood, Paul Auster, Anthony Bourdain, Jonathan Coe, Jeffrey Eugenides, David Grossman, Lidia Jorge, Pierre Michon, Rosa Montero, Michael Ondaatje, Orhan Pamuk, Colm Toíbín, Enrique Vila-Matas, Joanette Winterson, Marcello Fois, Kiran Desai, Alan Pauls, J.M.Coetzee, Amóz Oz, nadine Gordimer, Ahdaf Soueif, Jim Dogde, Robert Fick, Laurence Wright, Bárbara Heliodora, Denis Lehane, Guilhermo Arriaga, Leyla Perrone-Moisés, Will Self, Willian Boyd, César Aira, Mia Couto, Ishmael Beah, Alessandro Baricco, Cees Nooteboom, Chimamanda Ngozi Adichie, Contardo Calligaris, David Sedaris, Elisabeth Rondinesco,

Dos brasileiros, alguns dos autores mais talentosos já estiveram na FLIP, como Ariano Suassuna, Ana Maria Machado, Milton Hatoum, Millôr Ferndandes, Ruy Castro, Ferreira Gullar, Luiz Fernando Veríssimo, Zuenir Ventura e Lygia Fagundes Telles, além de lendas vivas como Chico Buarque e Caetano Veloso, Cecília Giannetti, Fabrício Corsaletti, Lobão, Chacal, Verônica Stigger, Nuno Ramos, Augusto Boal, Eduardo Tolentino, Bosco Brasil, Mario Bortolotto, Ana Maria Gonçalves, Antonio Torres, Arnaldo Jabor, Fernando Morais, Paulo Lins, Silvano Santiago, Paulo César de Araújo, Ruy Castro, Caco Barcellos, Adriana Lunardi, Carlos Lyra, Cíntia Moscovich

A cada ano a FLIP homenageia um expoente das letras brasileiras. O poeta e compositor Vinicius de Moraes (1917-1980) em 2003. O escritor João Guimarães Rosa (1908-1967) foi o homenageado no ano seguinte. Em 2005, foi à vez da romancista Clarice Lispector (1920-1977). Em 2006, a FLIP prestou homenagem ao escritor baiano Jorge Amado (1912-2001). Em 2007 o grande homenageado foi Nelson Rodrigues. Em 2008, o tributo foi prestado a Machado de Assis, calhando com o centenário de sua morte. Em 2009 o nome a ser homenageado é Manoel Bandeira (1886 – 1968). E 2010 é a vez de Gilberto Freire (1900 – 1987). Em 2011 o mais inovador dentre os modernistas foi o grande homenageado Oswald de Andrade (1890 – 1954).Em 2012 o homenageado foi Carlos Drumond de Andrade, considerado por muitos poetas como o maior poeta brasileiro de todos os tempos. 2013 foi a vez de ser homenageado Graciliano Ramos. Em 2014 o grande homenageado foi Millor Fernandes. 2015 foi a vez de Mario de Andrade.

A música brasileira, uma das maiores riquezas da nossa vida cultural, não poderia deixar de estar presente na FLIP. Os shows de abertura, que já valeriam a ida a Paraty, ofereceram aos convidados a chance de assistir Chico Buarque, Paulinho da Viola, Caetano Veloso, Mônica Salmaso, Adriana Calcanhoto, José Miguel Wisnik, Orquestra Imperial e o pianista João Donato, Luiz Melodia, Elza Soares e Celso Sim, Gilberto Gil, Lenine  e o músico paratiense Luís Perequê, deram as boas-vindas aos visitantes da FLIP.

Enquanto a programação principal acontece na tenda dos Autores, vários outros eventos ocorrem simultaneamente em outros locais. Oficina literária, destinada a jovens aspirantes a escritor, é realizada por grandes autores brasileiros. Há também uma programação exclusiva para crianças - a Flipinha, em que jovens estudantes de Paraty apresentam resultado de seus trabalhos inspirados no universo literário e participam de palestras com autores convidados. O sucesso da Festa também estimulou o desenvolvimento de uma programação de leituras, shows e lançamentos de livros, batizada de OFF-FLIP.

Desde a primeira edição, o crescimento da Festa Literária está intimamente ligado à vida e às necessidades de Paraty. Artistas locais, comerciantes, hoteleiros e donos de restaurantes acolhem a FLIP, que por sua vez, mantém os habitantes locais ativamente envolvidos. Por tudo isso, a FLIP se destaca de outros encontros literários contribuindo para essa atmosfera alegre e calorosa que tem caracterizado esse grande evento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário